quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Eco Truly Park - Chancay/ Lima - Peru



Nosso próximo destino foi o Eco Truly Park,  uma bela comunidade Vaishnava auto-sustentável da Missão Vrinda, os visitantes podem experimentar e aprender que é possível viver feliz em harmonia com a natureza e com os outros.
A arquitetura e comunidade é em parte inspirado pelos ensinamentos místicos da Índia e oferece, aulas de yoga, arte consciente, música, filosofia védica, meditação etc...



Nosso objetivo era conviver com os princípios da consciência de Krishna e aprender um pouco mais, já que queremos nos tornar devotos em breve, e aproveitar a oportunidade para participar do maior festival Sul americano da missão, o Mella, onde as festividades estão voltadas ao aniversário do Guru Fundador da missão Srila Bhakti Aloka Paramadvaiti Maharaj, que completaria 60 anos, junto ao festival aconteceriam conferências sobre sustentabilidade, com participação de autoridades e ativistas de todo o mundo!!!

Tomamos um ônibus em Lima com direção á Chancay e baixamos no paradeiro Ovallo, de lá um taxi nos levou até a finca.
Já na estrada avistamos os trulys e ficamos encantados, mas quando chegamos o encatamento foi ainda maior, o local é impressionante, construções incríveis e imponentes, virou até atração turística da região, agencias de turismo levam ônibus cheios de pessoas dispostas a conhecer as construções típicas da Índia.
Chegamos em um Domingo e o movimento estava grande, muitas pessoas e os devotos todos atarefados, esperamos um tempo e fomos recebidos por Madre Nitai, estávamos aguardando uma pessoa estranha e quando ela chegou tivemos uma surpresa, já nos conhecíamos de Catemu, ficamos muito contentes porque ela é uma pessoa boníssima, ela nos apresentou um pouco da estrutura (porque a finca é gigante) e nos indicou o local para montarmos nossa barraca.



O mar se encontra ao lado da finca, ouvíamos estrondos à todo momento, as ondas eram muito fortes e ficamos tristes, porque associado ao frio, constatamos que a chance de nos banharmos seria pequena L, mas não importava, o local era simplesmente lindo, estávamos rodeados de dunas, e a natureza era somente um adicional à energia que emanava do local, estávamos nos sentindo plenos e felizes...



Terminamos de nos alojar e seguimos ao refeitório, o tempo estava nublado e chuviscava, o vento estava forte, aumentando o frio que fazia no momento, servimo-nos de uma deliciosa sopa e sentamos junto aos moradores e voluntários, fomos conhecendo aos poucos as pessoas que nos dias seguintes se tornariam nossos novos grandes amigos.



Depois do jantar, seguimos ao templo e fizemos um kirtan, logo depois tivemos uma bela aula de Baghava Guita com Jaganatha, um devoto colombiano que nos ensinou muito sobre as escrituras védicas e se tornou um grande amigo.
Voltamos para a barraca e peguei o computador para escrever meu diário e quando ligo uma triste visão, a tela havia se quebrado, quase chorei, o computador foi fundamental na nosso viagem, com ele descarregamos as milhões de fotos que Ricardo tira, escrevo os artigos para o blog e principalmente comunicamos com a família, como estávamos longe da civilização, e ali não havia conexão com a internet, resolvemos relaxar, afinal, deixamos a mochila com o computador cair e não havia mais nada a fazer, depois do festival, procurarias tentar concertar em Lima L.
No dia seguinte, o sol continuou tímido e não apareceu, chuviscava e estava bastante frio, seguimos ao refeitório e ajudados na preparação do café da manhã, comemos e logo depois nos oferecemos à ajudar no que fosse preciso, todos estavam ocupados e muito atarefados nas preparações do festival, que aconteceria em 2 semanas, Ricardo e eu fomos convidados a renovar a pintura dos Trulys do templo, adoramos a missão e fomos muito contentes pintar o local mais importante da finca.
Alguns voluntários seguiram conosco, cada um foi encaminhado à um setor e encarregado de uma pintura, Ricardo e eu ficamos juntos, o que deixou o trabalho ainda mais prazeroso!!!





Nesse mesmo dia conhecemos Felipe, um cozinheiro que está viajando pela América e vive na Colômbia, também pratica os mandamentos da permacultura e vive em um sítio, uma pessoa muito simpática que gostamos de cara, e também fizemos uma grande amizade...
O almoço sempre delicioso, comi muito e o desfrute dos dias seguintes me renderam novos 2 kg hehehe e Ricardo como sempre perdendo peso e eu encontrando....
Existe um segredo para a comida dos devotos de Krishna serem tão gostosas, eles preparam um alimento sagrado, ou como chamam, prassada, a comida é preparada em um ambiente totalmente limpo de energias negativas, durante a preparação da refeição, se acrescenta uma dose de bom humor e felicidade, e existem algumas regras também (regras essas que já estou aplicando há 8 meses), não se prova nenhum alimento que está preparando, não se pode comer na cozinha, a refeição deve estar totalmente preparada e quando esta pronta se oferece à Deus, este oferecimento serve para agradecer a benção de ter o alimento para suprir nossas necessidades e com o alimento oferecido, ele se torna sagrado e só então se pode provar, acrescentar sal e temperos se assim necessitar e depois se serve para os devotos, um alimento abençoado e oferecido à Deus!!!

A finca é muito bonita, as construções são todas típicas e feitas em adobe,



 existe dois complexos de alojamento, onde se pode hospedar-se como em um hotel ou se quiser participar do programa de voluntários, 




se paga uma taxa menor e oferece 4 horas de trabalho por dia, das 09 às 13hs, no tempo livre é possível participar das atividades oferecidas pela finca: Aula de yoga, meditação, aulas de filosofia e cursos diversos, como de dança, agricultura orgânica etc.
Logo na entrada se encontra uma recepção, onde os visitantes recebem um mapa do local e as informações necessárias, existe uma lanchonete e um restaurante, que funciona nos finais de semana onde o fluxo é maior.



Dentro da finca, existe um belo refeitório, onde realizávamos nossas refeições, e as construções onde vivem os devotos moradores.





Possui um belo parque infantil



 e uma bela horta orgânica, onde podemos colher nossos subsídios livres de toxinas e cultivados com amor e respeito à mãe terra.



Existe um complexo de trulys, que formam o templo principal, onde estão as deidades, o local mais mágico e energético da finca.





Os gurus, ou mestres espirituais também possuem uma habitação, onde se hospedam nos dias de festivais.



Fora da finca, existe um vila de devotos, também construídas com estilo Indu e de adobe.
Ao lado da finca encontra-se um pequeno serro onde existem dois trulys, ali se hospedam pessoas que querem mais tranqüilidade e uma vista panorâmica do mar.





Um pouco mais distante e em um serro maior está construído um outro Truly, dedicado à um templo, onde também realizam aulas de yoga.




A arte também é muito importante, possuem um espaço dedicado à pinturas, esculturas, mosaicos, enfim, todo o tipo de arte consciente.



O que não podia deixar de existir é o espaço para divulgação do vegetarianismo, um quiosque foi destinado à “Revolução da colher”



O que é revolução da colher???

A Revolução da Colher é um movimento internacional que atua pela expansão do vegetarianismo e pela elevação da consciência das pessoas.
As reivindicações são um mundo mais justo, pacífico, sensível e limpo, sem matança de pessoas ou animais, sem guerras e desigualdade.
O consumo de carne está relacionado com os maiores problemas da atualidade, sejam ambientais (efeito estufa, poluição das águas, poluição do solo, desmatamento, desertificação), de saúde (doenças do coração, pressão alta, câncer, diabetes, obesidade…) e até econômicos (mais de 50% da produção de grãos do mundo é utilizada para engordar gado, enquanto poderia ser usada para alimentar as pessoas que sofrem com a fome).
Ser vegetariano é a melhor escolha que alguém pode assumir, se quer ser realmente consciente de seus atos!
Nesse movimento, a Revolução é com a colher, pois ela é o símbolo de uma alimentação não-violenta.
As armas são o amor, a amizade, o conhecimento e a arte consciente!

Nesse espaço, estão espalhados folhetos informativos e dados sobre maltratos com animais e as conseqüências do simples fato de comer carne para o planeta! Uma verdadeira aula de consciência ambiental que impressiona até os mais carnívoros dos homens...

O GADO CONSUME 95% DA PRODUÇÃO MUNDIAL DE SOJA E 44% DOS CEREAIS, EQUIVALENTE À 600 MILHÕES DE TONELADAS DE CEREAIS POR ANO, ENQUANTO 40 E 60 MILHÕES DE PESSOAS MORREM DE FOME A CADA DIA!

O tempo não colaborou muito nos dias que estivemos na finca, sol nenhum dia, por duas tardes ele apontou por algumas horas e logo se foi, garoava todas as manhãs e fazia frio Lbanho de mar então, nem pensar... Mas pudemos desfrutar a natureza,





caminhávamos quando possível e contemplamos um belo por do sol...





Em uma das caminhadas encontrei um Pinguim, o vi de longe junto com os pássaros e Ricardo me disse que não era, corri e quando cheguei perto, vi um lindo pingüim cambaleando, o pobrezinho não estava bem, queríamos colocá-lo de volta ao mar, mas as ondas estavam muito fortes, ficamos com medo dele não conseguir nadar, pois estava aparentemente muito fraco, mas não tinha ferimentos, pensei, deve ser comum encontrar pingüins aqui, então vou avisar o pessoal da finca que eles devem saber o que fazer...
Madre Nitai não acreditou que fosse pingüim, disse que nunca apareceram por aqui e saiu correndo para ver, o tomou e levamos para a finca, colocamos em uma banheira com um pouco de água e outros devotos foram atrás de contato com entidades de proteção ao animal...



Buscaram por muito tempo e não encontraram ninguém que pudesse resgatar o pingüim, ele estava cada vez mais debilitado e resolvemos levá-lo ao mar depois do almoço, colocamos ele em uma pequena piscina formada pela maré, onde ele poderia ficar até que a maré subisse novamente e o levasse sem a força das ondas para atrapalhar, ele ficou um tempo ali, mas não estava nada bem e acabou morrendo, eu já tinha dado no pé quando percebi que iria morrer, todos ficaram muito tristes, mas a natureza é assim, ele deve ter se separado do grupo porque já sabia que estava indo...



O dias seguiram, ajudamos bastante na pintura do templo, e depois pintamos um palco que seria utilizando no festival, à noite era dedicada à reflexão e espiritualidade, nos reuníamos no templo e cada dia aprendíamos mais sobre essa linda filosofia de amor e devoção.



Jagath era o responsável pela pintura, um devoto muito bacana que nos deu muitas dicas, ficamos quase profissionais, seu assistente mais dedicado era Prema, de Mendonça, amigo de nosso querido irmão argentino Lendrito de Itaquera ...



Sempre chegavam novos voluntários, um outro amigo que fizemos foi o Espanhol Domingos, sempre estava conosco pintando e se mostrou uma pessoa boníssima, muito simpático e bem humorado, está vivendo na América do Sul há 12 anos, trabalha com turismo e nos disse que não tem planos de voltar à Europa, definiu os latinos como o melhor povo do planeta e disse maravilhas do Brasil!!!



Já estávamos familiarizados com o ambiente, e sentíamos parte da família, me ofereci para contribuir nas aulas e cursos que ofereciam à tarde, e um dia ministrei uma boa aula de alimentação viva e em outro aproveitei para relembrar os tempos de adolescente e coloquei todos para gingar ao som da capoeira!!!



Domingos fazia aniversário na sexta-feira, e comprou ingredientes para eu fazer um bolo vivo para ele, ele adorou a aula de alimentação viva e queria comemorar seus 35 anos com um bolo natural,a finca já estava preparando um bolo para ele, e a seu pedido preparei um outro, e à noite comemoramos seu “cumpleanos”.




Logo nesse final de semana, chegou um casal de franceses que estão viajando a América há 9 meses com duas filhas lindas de morrer, Fanny e Luis, ele é filho de portugueses e fala muito bem português... as gatinhas se chamam Alya e Zia, de 5 e 3 anos...



Conversamos bastante com eles e nos tornamos bons amigos, eles estão viajando em um jipe e pretendem ficar um bom tempo na América, Fanny se encantou com o Brasil, e disse que são o povo mais simpático que já conheceu, falou que são muito alegres e receptivos, deu um orgulho do meu pais... J
Conversamos bastante sobre a viajem e compartilhamos aventuras e desventuras que vivemos, foi muito divertido conhecer essa família, e nos inspirou muito, pois tivemos a certeza que depois que tiver um bebê não vamos ter que parar com nossas andanças J
O festival estava se aproximando e os preparativos estavam à mil, o trabalho agora era maior e terminava mais tarde.



O sucesso com os doces vivos me renderam um convite para fazer preparações para a lanchonete durante o festival, pois um dos temas mais abordados pelos mestres espirituais da missão é justamente a alimentação saudável, e fazer doces sem açúcar era um prato cheio para deixar os Gurus contetentes...
Fiquei alguns dias do festival na lanchonete e fiz algumas preparações...





Ricardo me ajudou e está se mostrando um belo cozinheiro, obrigado amorzinho por estar sempre presente e me apoiando, TE AMO!!!



O festival começou em uma segunda-feira na cidade de Lima, onde receberam Guru Deva e Guru Maharaj no aeroporto e seguiram em uma carreata na cidade, já à noite, chegaram na finca em caravana, foram 4 ônibus cheios de devotos ao mesmo tempo, uma loucura muito bacana J
Logo de cara encontramos nossos amigos que fizemos durante nossa viagem, foi muito especial rever pessoas tão importante para nós...



E agora nossos irmãos de coração possuem nomes diferentes, foram iniciados na missão e carregam lindos nomes espirituais:



GADADHARA e SRIVASANGA KI!!
JAYYYY
Amamos esses dois!!!

Tivemos a felicidade de encontrar nosso mestre mais querido, Mangala Maharaj, que nos inspirou e contribuiu para realização dessa viajem maravilhosa, e junto a ele, tivemos a honra de encontrar mais uma vez Guru Deva Atulananda, que em um futuro próximo será meu Mestre Espiritual!!!



O festival foi a oitava maravilha do mundo, em todos os lugares que passávamos a alegria e paz estavam presentes.



Guru Maharaj, o Guru Verde como diz Ricardo, estava a todo momento fazendo seus discursos em prol da natureza e nosso planeta. Participava de todas as conferências e sempre levantando a bandeira verde.
Guru Deva Atulananda, igualmente ativista, se portava de uma maneira diferente, era mais ameno e ouvia mais, sua postura era de um monge do amor enquanto Guru Maharaj se mostrava o monge revolucionário, os dois formavam uma dupla perfeita, se completam em tudo e foi incrível vê-los juntos, disse a Ricardo que são como Lenon e McCartney, puro néctar!!!



Todos os dias às 5hs da manhã já havia festa no templo, só não participávamos porque somos bastante preguiçosos de manhã hehehe, brincadeirinha, trabalhamos bastante e nos cansávamos também!!!
Por onde se passava haviam devotos, barracas e se escutava o santo nome
Hare Krishna Hare Krishna
Krishna Krishna Hare Hare  
Hare Rama Hare Rama
Rama Rama Hare Hare!




A prassada estava deliciosa, comemos muiiito bem hehehe.
À noite sempre havia festivais com música consciente, muito legal!!!
No sábado foi o aniversário de Guru Maharaj, fizemos uma fila e esperamos ansiosos o momento de cumprimentar esse ser iluminado, 



sentimo-nos honrados por conhecer um espírito tão nobre e orgulhosos porque ele mandou reverências a sua filha mais querida, minha irmãzinha J pensa em uma mulher que ficou azul de orgulho!!!



À noite as festividades de aniversário seguiram e além do bolo tivemos pizza (oba), aproveitamos que Mangala Maharaj teve um tempinho e nos reunimos com ele para compartir nossas experiências...
No dia seguinte acabou oficialmente o festival L, a semana passou super rápido e era momento de despedir dos amigos, foi triste, mas ao mesmo tempo nos sentíamos felizes, mais uma etapa vencida e seguiríamos em frente, não podemos fincar raízes aqui, porque já temos nossas no Brasil, e uma linda nova vida nos espera nos Santuário de Harmonização planetária, nosso novo mantra agora e voltar e ser felizes, nossa missão já está traçada e nossa felicidade está prestes a se tornar maior, estamos ansiosos para rever nossa família e dividir as experiências que tivemos nesses 8 meses...
Nosso próximo e último destino agora é o Equador, e que venha o sol e praia, porque merecemos!!!

Haribol!